Home / Clássicos da Literatura /

7 curiosidades que não sabia sobre Alice no País das Maravilhas

alice no país das maravilhas

7 curiosidades que não sabia sobre Alice no País das Maravilhas

Mídia Kit Blog Mundo de Livros
 

Quando Alice no País das Maravilhas chegou às livrarias em 1865, o sucesso alcançado foi gigantesco. Ainda hoje, o livro é amplamente creditado como a obra que mudou todo o panorama da literatura infantil, acrescentando diversão sem sentido para o que antes tinha sido um género obcecado em divulgar valores morais.

Em 2015, celebrou-se os 150 anos desde o lançamento do livro de Lewis Carroll. O autor britânico, que dava aulas de Matemática a crianças, estava longe de adivinhar que uma história contada a uma criança chamada Alice o viesse a imortalizar na história da literatura.

Neste post, apresentamos algumas curiosidades fascinantes sobre o encantado país das maravilhas e a pequena rapariguinha que, levada pela curiosidade, seguiu um coelho através de uma toca e foi absorvida por um mundo cheio de coisas sem sentido.

7 curiosidades que não sabia sobre Alice no País das Maravilhas

A verdadeira Alice era filha do patrão de Carroll

A verdadeira Alice, que deu o seu nome à história, era a filha de Henry Liddell, o reitor da Christ Church College em Oxford, onde Lewis Carroll era Professor de Matemática e onde vivia. Foi neste contexto que o escritor conheceu a família do reitor e a pequena Alice que inspirou as histórias no País das Maravilhas.

Mais histórias!

Quando Carroll começou a contar uma história de fantasia a Alice Liddell, incluindo na narrativa as duas irmãs, num verão 1862, que partem numa viagem de barco ao longo do rio Tamisa, o autor não esperava que as crianças lhe pedissem para continuar. É assim que dá por si a contar as intermináveis histórias de Alice, passando-as mesmo para o papel para as oferecer como prenda de Natal em 1864. Pela altura em que a história foi publicada, o enredo tinha já duplicado e contava com uma galeria de inúmeras personagens.

O ilustrador odiou a primeira edição do livro

Carroll encomendou várias ilustrações ao ilustrador John Tenniel. Porém, quando o ilustrador viu uma cópia antecipada do livro, Tenniel ficou furioso ao perceber que os seus desenhos tinham sido mal reproduzidos. Contrafeito, Carroll gastou todo o seu salário anual para obter uma reimpressão ainda antes do livro ser lançado ao público. A sorte do autor foi que o livro foi um sucesso instantâneo e não tardou a chegar ao mercado norte-americano.

O livro foi adaptado ao cinema logo em 1903

Apenas alguns anos depois da morte de Lewis Carroll, os realizadores de cinema Cecil Hepworth e Percy Stowe reuniram-se para adaptar a história para um curto filme com 12 minutos. Na viragem do século, esse era então o filme mais longo realizado até à data no Reino Unido. Recentemente, tem sido Tim Burton a adaptar as histórias de Alice ao grande ecrã, contando com a interpretação do ator Johnny Depp como Chapeleiro Louco.alice-interior

Os muitos títulos de Alice

Ao escrever no seu diário acerca do passeio de barco que o inspirou a escrever a história sobre Alice,  o autor apontou alguns títulos diferentes para o livro. O conto original tinha como título as “Aventuras de Metro de Alice”, em referência ao metro de Londres, mas a partir da publicação, Carroll decidiu que afinal lhe ia dar o nome de “Alice no País dos Elfos”. Outra ideia que mais tarde rejeitou foi “Alice Entre as Fadas”. Eventualmente, foi Alice no País das Maravilhas que ganhou.

Satirizar a Matemática

Estudiosos têm teorizado que o trabalho de Carroll como professor de matemática recebeu um espaço na sua história infantil sobre a forma de sátira. Por exemplo, os enigmas do Chapeleiro Louco sobre as semelhanças que o corvo tem com uma secretária, “eram uma reflexão sobre a crescente abstração que se estava a passar na matemática durante o século XIX”, como disse o matemático Keith Devlin, em 2010. Carroll era um matemático muito conservador, e viu novas metodologias da matemática como absurdas em comparação com a álgebra e geometria tradicional.

O livro nunca deixou de ser impresso

O livro de Lewis Carroll foi traduzido em 176 idiomas. A sua sequela, Através do Espelho, esgotou completamente em menos de sete semanas.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
AdobeStock
 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *