Home / Bibliotecas /

Bibliotecas alternativas levam conhecimento aos 4 cantos do mundo

Bibliotecas alternativas levam conhecimento aos 4 cantos do mundo

 

Numa altura em que muito se fala de e-books ou da “exportação” de livros de bibliotecas tradicionais para a Internet, existem alguns países do mundo onde as obras literárias têm de percorrer quilómetros para chegaram às mãos de quem as lê. Neste artigo, falamos-lhe de bibliotecas alternativas, sejam elas modernas ou não.

E se a sua obra chegasse no dorso de um camelo? Ou, se em vez de visitar a biblioteca da sua cidade, tivesse de esperar por um barco? Os casos são reais e, em pleno século XXI, servem como uma forma de combater a literacia em países, onde a informação é escassa e tarda a chegar.

Se nalguns lugares as bibliotecas parecem ligeiramente atrasadas em relação ao seu tempo, noutros assistimos à implementação de novas tecnologias que revolucionam por completo o acesso à informação. Os livros deram lugar a tablets capazes de condensar todo o tipo de obras no mesmo aparelho e já nem sequer temos de nos levantar para tirar o livro da estante.

Ao longo deste artigo, percorremos o globo à procura de exemplos diferentes de bibliotecas alternativas. Independentemente do tipo ou do motivo, todas se enquadram na categoria do diferente. No fundo, apesar de serem muito díspares, há um fator comum a todas têm em comum: levar a informação a todos os que a quiserem consumir.

4 Bibliotecas alternativas de todo o mundo

Bibliotecas com tração animal

Com um longo histórico no que diz respeito à ultrapassagem de barreiras geográficas, as bibliotecas têm sido capazes de fazer com que a literatura chegasse a locais onde os livros ainda são encarados com alguma estranheza.

Na Mongólia, um homem viaja nas costas de um camelo, transportando livros infantis pelas comunidades rurais do deserto de Gobi. Por sua vez, na Indonésia, encontramos uma iniciativa semelhante, mas desta vez a cavalo.

Bibliotecas móveis do Haiti

Depois do terramoto que abalou o país no ano de 2010, a iniciativa Libraries Without Borders (Bibliotecas Sem Fronteiras) resolveu lançar a primeira biblioteca móvel do Haiti. Atualmente, existem três veículos, cada um deles a cobrir as zonas da capital, Port-au-Prince, o Departamento do Norte e o Departamento do Centro.

Descontos!
 

Na sequência do sismo, muitas bibliotecas ruíram ou fecharam. Apesar do óbvio impacto negativo da tragédia, esta foi uma oportunidade para fazer uma aposta mais forte na promoção cultural. As bibliotecas ambulantes têm uma parte infantil e outra para adultos; atualmente chegam a 6 mil pessoas, todos os meses.

Bibliotecas sobre a água

As bibliotecas sobre a água são uma forma diferente de consumir literatura. Existem já várias iniciativas deste género, uma delas sobre o Tamisa, em Londres. No Laos (onde a realidade é bem diferente da metrópole britânica), mais precisamente nas nas águas do Mekong, flutua uma livraria para crianças com cerca de mil obras. O rio percorre todo o país, sendo que as crianças podem alugar livros, levá-los para casa e devolvê-los antes que o barco deixe a sua cidade.

Bibliotecas sem livros

As bibliotecas sem livros são já uma realidade nos Estados Unidos. Em vez de prateleiras poeirentas, aqui encontramos tablets, computadores e e-readers. A primeira experiência ocorreu em San Antonio, no Texas, e apresenta como vantagens o facto de ser possível várias pessoas consultarem o mesmo livro, ao mesmo tempo.

À luz do que hoje conhecemos, podemos prever que, no futuro, as bibliotecas passem a partilhar diferentes conteúdos, tornando-os acessíveis a partir de qualquer lugar do planeta. Quem sabe, talvez um dia se construa uma base global de conhecimento que permita disponibilizar todos os livros para toda a gente.

A temática das bibliotecas improváveis foi explorada por Alex Johnson, num livro, de 2015, chamado Improbable Libraries.

 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *