Home / Clássicos da Literatura /

Contos de Fadas: conheça a sombria versão original de A Branca de Neve

Contos de Fadas: conheça a sombria versão original de A Branca de Neve

 

Este artigo é dedicado totalmente à versão original do conto Branca de Neve, cuja primeira versão foi escrita em 1810 pelos irmãos Grimm, e faz parte de uma série de posts dedicado a alguns dos mais mágicos e adoráveis contos de fadas de sempre.

“Espelho, espelho meu, existe alguém mais bela do que eu?”. Quem pergunta ao espelho mágico, no entanto, não é uma bruxa, mas uma rainha. O espelho responde que Branca de Neve, sua filha, é a mais bela do reino, uma linda garota de sete anos, de pele rosada e cabelos pretos. A rainha fica enfurecida. Ela contrata um caçador para matar a própria filha, e, como prova do ato, trazer-lhe os órgãos da menina para o jantar.

Porém, o caçador, de bom coração, compadece-se da princesa e a deixa fugir. Ele mata um javali e leva seus órgãos ao castelo como se fossem os da garota. Branca de Neve, enquanto isso, corre pela floresta e acaba encontrando uma casa onde vivem sete anões. Eles aceitam que ela more lá, desde que seja sua faxineira, lavando, passando, costurando e limpando a casa.

Mas o espelho “fofoqueiro” não se dá por satisfeito: conta à rainha que o caçador a enganou, e sua filha está viva, o que a faz ainda a mais bela do reino. A narcisista rainha quer matar a princesa, sua filha, de qualquer jeito. Percorre a floresta para acabar com ela com as próprias mãos: disfarçada de uma velhinha, bate à porta da casinha dos anões. Branca de Neve atende, sem desconfiar de nada. A velha lhe dá um corpete de seda e amarra a fita tão fortemente que Branca de Neve desmaia. Acreditando tê-la matado, a rainha vai embora feliz.

No entanto, os anões encontram Branca de Neve e a libertam do corpete. A rainha descobre que sua bela filha está viva e outra vez se embrenha na floresta para matá-la. Agora, ela passa um pente envenenado no cabelo da filha. Branca de Neve cai desacordada, mas, mais tarde, os anões outra vez a resgatam tirando o objeto de seus cabelos, repreendendo-a por receber estranhos em casa.

A terceira tentativa da rainha é finalmente uma suculenta maçã envenenada, como na versão que conhecemos. Branca de Neve come a fruta e cai desacordada. Os anões nada conseguem fazer, e, julgando-a morta, colocam-na em um caixão de vidro na floresta para que ao menos possam ficar apreciando sua beleza.

 

Algum tempo após, um príncipe passeando na floresta vê o caixão com a bela moça e decide comprá-lo dos anões. Mas eles não aceitam vender, então ele rapta a garota morta e a coloca no lombo de seu cavalo. Chegando a seu longínquo castelo, um dos criados, enfezados com o fato de o príncipe ter trazido aquela jovem, dá um soco na barriga dela. Branca de Neve cospe o pedaço de maçã envenenada e volta à vida.

A princesa Branca de Neve vai se casar com o príncipe – com sete anos de idade! – e convida sua mãe, a rainha má, para a cerimônia. A rainha não sabe que a festa é de sua filha, e comparece ao evento toda arrumada e alegre. Mas a festa lhe guarda uma terrível surpresa: sua própria filha é a noiva, a mais bela do reino!!! Branca de Neve faz a mãe calçar sapatos de ferro em brasa e dançar a noite toda, até cair morta. Uma boa vingança contra a mãe assassina.

Confira também o primeiro artigo desta série de posts dedicada aos Contos de Fadas clicando aqui neste link Contos de Fadas: Eles Nem Sempre Foram Tão Belos, sem esquecer o artigo dedicado à versão original do conto A Bela Adormecida e ainda a sombria versão original do conto Chapeuzinho Vermelho.

 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *