Home / Archives /

Lendas da Literatura

Lendas da Literatura / 43 posts encontrados

Mario Vargas Llosa: revisor de lápides, jornalista, político e Nobel

Em 2010, Mario Vargas Llosa recebeu o Prémio Nobel da Literatura coroando uma carreira de alto prestígio na cultura hispânica. O nome do autor peruano, apesar de desconhecido por grande parte da comunidade internacional, era bastante familiar na cultura espanhola, quer pela sua obra literária, quer pela carreira dedicada ao jornalismo, ensaísmo e ativismo político. No entanto, quem é afinal este escritor contemporâneo que esteve tantos anos na lista de candidatos ao Nobel?

Luis Sepúlveda: do socialismo à prisão, do erotismo aos romances

O nome de Luis Sepúlveda é sem dúvida um dos mais importantes da literatura latina contemporânea. Nascido a 4 de outubro de 1949, em Ovalle, uma pequena aldeia no Norte do Chile, a história de Sepúlveda começa com uma outra história: o amor dos seus pais era condenado pela sociedade. O casal, sendo menor de idade, tinha fugido de casa, o que implicou uma dramática perseguição da família e autoridades. É nesta situação de fuga e desequilíbrio que nasce Luis Sepúlveda, numa humilde estalagem onde o casal se tinha refugiado!
Anäis Nin

Anaïs Nin: as palavras eróticas que lutaram pela sexualidade feminina

Anäis Nin nasceu numa cidade perto de Paris, no ano de 1903. É filha de Joaquin Nin, compositor cubano educado em Espanha, e de Rosa Culmell y Vigaraud, uma cantora clássica com origens francesas, cubanas e dinamarquesas. O seu nome completo é Angela Anaïs Juana Antolina Rosa Edelmira Nin y Culmell. Destacou-se na literatura com Delta de Vénus, uma obra que explora a visão feminina da sexualidade. Neste post, recordamos a sua obra e vida.
Fernando Pessoa

Fernando Pessoa: o lisboeta tímido que dividiu a alma em poesia

Em 1888, quando Portugal era ainda um reino, nasceu Fernando Pessoa, o poeta das muitas caras, numa casa em Lisboa. Apesar de vir a morrer na capital portuguesa (e de ter vivido a maior parte da sua vida nessa cidade) os seus primeiros anos de vida foram passados em Durban, uma colónia da África do Sul, onde o seu padrasto servia como cônsul português. Neste post, recordamos este homem tímido que escrevia poesia... e não contava (maioritariamente) a ninguém.
Jorge Luis Borges

Jorge Luis Borges: o homem que encontrava histórias em sonhos

Apesar de nunca ter sido distinguido com o Nobel da Literatura, Jorge Luis Borges é um nome assíduo nas listas de melhores escritores do século XX. Escritor, poeta, dramaturgo e crítico literário, este homem das letras brindou o mundo com convicções fortes e obras marcantes, como Ficciones, de 1944, ou O Aleph, de 1949. Neste post, homenageamos o autor que tinha nas veias sangue argentino e português.
saramago

José Saramago: o homem que deu a Portugal o Nobel da Literatura

O primeiro e, até à data, único Nobel de Literatura português foi reconhecido de forma universal em 1998. Desde Portugal para o mundo, José Saramago escreveu com uma perspetiva de tal forma crítica que é impossível ficar indiferente às suas palavras. Neste artigo, recordamos a vida e percurso profissional de José Saramago, assim como a obra que lhe valeu o prémio mais distinto a nível literário.

Vinicius de Moraes: o poeta das canções que todos conhecemos

Ele foi e ainda é um dos maiores nomes de sempre da cultura brasileira. Mas na verdade é muito mais do isso: Vinicius de Moraes permanece vivo como um farol de criatividade, talento e humanidade para todos os amantes das letras, cinema e música.

Luís Vaz de Camões: o poeta que acreditou na glória lusitana

Ao falarmos de literatura portuguesa, temos obrigatoriamente de apontar um nome, aquele que é facilmente considerado o maior poeta português de todos os tempos: Luís Vaz de Camões. Mesmo não sendo a história clara quanto à vida deste homem de uma coisa há certeza: este foi o poeta que, inspirado por musas e grandes nomes da antiguidade, pegou na pena e compôs uma epopeia para o povo lusitano.

Leon Tolstoy: o homem sem jeito para nada, excepto para as letras

Corria o ano de 1828 quando nasce Leon Tolstoy, num local chamado Yasnaya Polyana. Não, este não é o nome de uma cidade ou vila provinciana russa, mas sim o nome da propriedade da família Tolstoy, em Tala. Sendo o mais novo de quatro rapazes, não se pode dizer que a infância do pequeno Leon tenha sido fácil. Dois anos após o seu nascimento, a mãe morreu. Apenas sete anos depois acontece a morte do pai, que deixa assim os filhos entregues à tutela de uma tia que vivia em Kazan.