Home / Archives /

Literatura de Ficção

Literatura de Ficção / 49 posts found

a rapariga no comboio

A Rapariga no Comboio, o tão aclamado thriller de 2015

A Rapariga no Comboio é um daqueles livros que se lê em dois ou três dias. Com cerca de 320 páginas, o livro parece um comboio que parte a um ritmo desenfreado e aos solavancos, ameaçando descarrilar a qualquer momento. A história é contada sobre a perspetiva de três mulheres diferentes que têm algo em comum, apesar de nenhuma delas o saber. Os críticos consideram-no o thriller do ano.

No Café da Juventude Perdida: um livro de Patrick Modiano que fala de identidades

Juventude, memória e identidade. Estes são três dos temas comuns às obras daquele que é reconhecidamente o maior escritor francês da atualidade. Neste artigo, falamos-lhe de No Café da Juventude Perdida um livro de Patrick Modiano, autor que, em 2014, recebeu o Prémio Nobel da Literatura.
mapas-principal

7 livros com mapas incríveis de lugares fictícios

Neste post, decidi honrar alguns dos títulos mais importantes da literatura de ficção e fantasia mas sobre uma perspetiva mais cartográfica. Conheça 7 livros com mapas fictícios incríveis, conheça um pouco da história por detrás desses mesmos mapas e deixe-se levar de novo para estes universos alternativos.
línguas

4 línguas fictícias criadas de propósito para livros (e não só)

Ao longo da literatura, especialmente no género de fantasia e ficção científica, muitos autores sentiram-se na necessidade de criar línguas específicas para certas raças e povos. Porquê? Não é difícil dar resposta a essa pergunta. A língua faz parte da cultura de qualquer pessoa e diz muito sobre ela, ajudando a demarcar diferentes grupos.
inferno

Inferno: uma alegoria dantesca sobre a sobrepopulação

Uma vez que o O Símbolo Perdido se tinha revelado uma grande desilusão, não criei grandes expectativas quando saiu Inferno, o quarto livro do norte-americano Dan Brown que, uma vez mais, tem como personagem central Robert Langdon – a mesma personagem de Anjos e Demónios e O Código Da Vinci. Mas a verdade é não tinha razões para esperar menos deste livro.
uma-morte-súbita

Uma Morte Súbita: o início do lado adulto de Rowling

Com o último livro de Harry Potter, em 2007, a escritora britânica J. K. Rowling encerrou um capítulo da sua vida. Em 2010, voltou a lançar-se como escritora mas com algo que ultrapassa as barreiras do mundo mágico. Uma Morte Súbita apresenta-nos uma realidade brutal, com personagens que podiam ser nossos vizinhos e que não têm medo de dizer palavrões ou de fazer sexo.
livrarias-fictícias

10 livrarias fictícias que gostaríamos de visitar

Já todos desejamos visitar os mesmos locais por onde as nossas personagens favoritas passaram. Quer seja através de um livro ou de um filme, vamos conhecendo cada um daqueles lugares, os seus cantos e aromas e as pessoas que por lá passam. Mas e quando esses espaços são livrarias fictícias? Neste post relembramos algumas das livrarias fictícias mais emblemáticas da literatura e do cinema.

O Psicanalista: um thriller que explora os recantos da mente humana

John Katzenbach é escritor, mas antes de o ser trabalhou como jornalista da secção crime de duas publicações de renome de Miami, o Miami Herald e o Miami News. O contacto diário com realidades que desafiavam a ficção mais rebuscada serviu de ponto de partida para o início de uma carreira como escritor de policiais. O Psicanalista foi lançado, em 2002, e é dele que falamos neste post.
jogos-da-fome

Jogos da Fome: pão e circo para a pantomina

Li o primeiro capítulo e gostei, continuei a ler e gostei ainda mais. Hoje, junto Os Jogos da Fome numa prateleira entre Harry Potter e 1984. Os Jogos da Fome assentam numa premissa que remonta aos dias do Império Romano. “Panem et Circensus”, traduzida do latim para “pão e circo”, resumia uma fórmula de sucesso que tinha como resultado final garantir a satisfação da população.

O Padrinho, Mario Puzo e o enredo que cativou gerações

The Godfather, em português, O Padrinho é um romance de culto que marcou gerações. O livro foi escrito por Mario Puzo e deu o salto para o cinema numa trilogia com o mesmo nome. Os filmes, realizados por Francis Ford Coppolla, contaram com a participação de Marlon Brando, ator que vestiu a pele de personagem principal, Don Vito Corleone, o eterno manda-chuva da máfia de Nova Iorque.