Home / Literatura Portuguesa /

Correntes d’Escritas: o maior festival literário de Portugal

correntes d'escritas

Correntes d’Escritas: o maior festival literário de Portugal

 

As raízes da literatura em Portugal sempre foram fortes e, como se de uma árvore se tratasse, este tipo de arte tem crescido e estendido os seus ramos ao longo dos séculos. No blog Mundo de Livros dedicamos já uma série de artigos à história da literatura portuguesa para provar mesmo a origem do nosso valor literário.

Hoje, qualquer interessado em literatura poderá olhar para trás e reconhecer os vários padrões da história da literatura em Portugal. Mais do que identificar nomes de autores emblemáticos, será capaz de nomear correntes literárias, como é o caso do Romantismo, o Realismo e até mesmo o Modernismo.

Porém, será que somos capazes de identificar os autores e títulos contemporâneos que daqui a um século serão reconhecidos como os grandes nomes do século XXI? De forma a fazer história e distinguir alguns dos melhores autores nacionais, têm sido criados prémios e eventos em nome da Literatura Portuguesa.

Neste post, é sobre a Correntes d’Escritas que falamos, tratando-se este de um dos maiores eventos literários da Península Ibérica. Todos os anos, o evento tem lugar na Póvoa do Varzim, durante o mês de fevereiro e, para além de debates sobre diversos temas relacionados com literatura, é distinguido um escritor com o Prémio Literário Casino da Póvoa.

Correntes d’Escritas: em que consiste o festival?

Estávamos em 2000, ano em que se celebrou o centenário da morte de Eça de Queirós, quando se realizou pela primeira vez o festival literário Correntes d’Escritas. De ano para ano, o encontro foi ganhando notoriedade, atraindo o mais variado leque de nomes da literatura lusófona e espanhola. Hoje, é o maior evento deste género em Portugal.

Mas o que se passa no festival Correntes d’Escritas?

 

Essencialmente, é de literatura que se fala. Tradicionalmente, a abertura do festival acontece no Casino da Póvoa onde, desde 2004, se atribui o Prémio Literário Casino da Póvoa a autores que tenham escrito uma obra (prosa ou poesia) recentemente. O vencedor deste prémio é eleito por um júri Ibero-Afro-Americano que tem de escolher entre dez obras finalistas, selecionadas previamente por entre centenas de obras.

O prémio consiste na atribuição de 20 mil euros ao vencedor, assim como a oferta de uma réplica do símbolo da cidade e do mar entre os diferentes povos: a lancha poveira. Até hoje,  já foram distinguidos doze autores. Confira a lista completa abaixo.

  • 2004 – Lídia Jorge com a obra: Vento Assobiando nas Gruas (prosa)
  • 2005 – António Franco Alexandre com a obra: Duende (poesia)
  • 2006 – Carlos Ruiz Zafón com a obra: A Sombra do Vento (prosa)
  • 2007 – Ana Luísa Amaral com a obra: A génese do Amor (poesia)
  • 2008 – Ruy Duarte de Carvalho com a obra: Desmedida (prosa)
  • 2009 – Gastão Cruz com a obra: A Moeda do Tempo (poesia)
  • 2010 – Maria Velho da Costa com a obra: Myra (romance)
  • 2011 – Pedro Tamen com a obra: O livro do sapateiro (poesia)
  • 2012 – Rubem Fonseca com a obra: Bufo & Spallanzani (romance)
  • 2013 – Hélia Correia com a obra: A terceira miséria (poesia)
  • 2014 – Manuel Jorge Marmelo com a obra: Uma mentira mil vezes repetida (romance)
  • 2016 – Javier Cercas com a obra: As Leis da Fronteira

O evento proporciona ainda a oportunidade perfeita para serem apresentados novos livros e se estabelecerem contactos entre editoras, autores e tradutores. As mesas de debates costumam ser um ponto alto do encontro, já que contam com intervenções interessantes de autores nacionais.

No mesmo encontro é também atribuído o Prémio Correntes D’Escritas/Papelaria Locus para jovens escritores entre os 15 e 18 anos e lançada a edição anual da revista Correntes d’Escritas que é sempre dedicada a um escritor nacional todos os anos. A edição mais recente foi dedicada a António Lobo Antunes e contou com depoimentos de vários autores assim como uma coletânea de contos originais.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *