Home / Literatura /

Investigadores encontram técnica para digitalizar livros com páginas fechadas

digitalizar livros

Investigadores encontram técnica para digitalizar livros com páginas fechadas

 

Num mundo que se assume cada vez mais tecnológico torna-se urgente a partilha de informação. Hoje, o conceito de aldeia global é cada vez mais premente e real. O facto de que todo o mundo está ao alcance de meia dúzia de cliques permite que qualquer pessoa, esteja onde estiver, pode aceder a conhecimento e informação que há alguns anos seria de difícil acesso.

No entanto, todo este conceito pode ser muito idealista, e quase utópico, mas nem sempre é possível. O conhecimento a que acedemos é sobretudo digital. Mas e o conteúdo físico que não se encontra ainda em formato digital? Os livros e manuscritos armazenados em bibliotecas e museus? Ainda que muitos destes documentos já se encontrem a ser digitalizados, este é um processo demorado já que é necessário digitalizar cada livro, página a página.

No entanto, e se fosse possível digitalizar um livro rapidamente, mesmo que estivesse fechado? Tal método iria acelerar a digitalização de conteúdos em suporte físico…. e a verdade é que já existe e está a ser testado! Não acredita? Nos próximos parágrafos explicamos esta tecnologia desenvolvida por uma equipa de investigadores do MIT.

Digitalizar livros fechados: uma técnica que pode mudar o mundo

A necessidade de se desenvolver uma técnica para digitalizar documentos rapidamente foi identificada pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que, após meses de análise e testes, desenvolveu uma tecnologia que consegue digitalizar livros sem ser necessário sequer abrir as páginas. O projeto, publicado no jornal Naturee, poderá ser uma mais valia para as bibliotecas e empresas que se queiram expandir para o meio digital.

Mas como funciona esta tecnologia?

De forma simples, o processo assenta na utilização de radiação terahertz que, por sua vez, é absorvida pelo papel e pela tinta. Uma vez que, num livro fechado, apenas 20 micrómetros de ar estão presentes entre uma página e outra, a câmara usada na digitalização consegue detectar os detalhes impressos em cada uma delas.

De acordo com o artigo científico publicado na Naturee, existem muitas outras utilidades para esta tecnologia que vão além da aparente. A técnica também pode ser usada para identificar defeitos estruturais em objetos de madeira, componentes plásticos e outros objetos físicos.

Entretanto, ainda há muito caminho a percorrer até que esta tecnologia possa chegar ao mercado. Por enquanto, a invenção consegue ler através de apenas nove páginas de um livro fechado, mas investimentos na tecnologia deverão resultar numa melhoria dos seus resultados.  A ideia, além de ser bastante útil para o trabalho de arquivistas e bibliotecários, pode facilitar a digitalização de livros antigos que, pelo estado frágil, não podem ser manuseados sequer por mãos humanas.

 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *