Home / Entrevistas /

Helena Sacadura Cabral e porque as mulheres amam os homens

Helena Sacadura Cabral e porque as mulheres amam os homens

 

Manuel Fonseca, editor da Guerra & Paz, convidou Helena Sacadura Cabral para uma árdua tarefa cujo o resultado se pode ler em “Porque é que as mulheres gostam dos homens”. Este é um um livro que não traz as soluções sobre esse mistério que é o amor, mas que dá algumas pistas sobre a multiplicidade de razões e de motivos que levam as mulheres a gostarem do sexo oposto.

Serão os aspectos físicos primordiais para o despoletar da paixão? Ou serão também factores como a cultura, a inteligência, o humor e a sensibilidade determinantes por essa chama que arde sem se ver? Ou será o conjunto de todos estes aspectos que fornece o resultado certo de uma equação feita a dois?  A Helena Sacadura Cabral foi-lhe lançado o desafio de descobrir as variadíssimas facetas com que se apresenta a paixão, tendo contado para o efeito com o testemunho precioso de diversas mulheres de faixas etárias e condições sociais distintas.

Pela altura do lançamento do livro, tive a oportunidade de assistir a uma sessão com a autora no El Corte Inglês, em Vila Nova de Gaia, e no final pude ainda falar um pouco com a autora para perceber como conseguiu construir esta obra.

Helena Sacadura Cabral: a que conclusões chegou?

Ao longo das mais de cem páginas do livro e à medida que o resultado dos testemunhos surgem depois de analisadas as respostas do inquérito anónimo distribuído às intervenientes femininas, Helena Sacadura Cabral vai dando a conhecer, aqui e ali, também algumas das suas preferências em relação ao sexo oposto.

São pequenos apontamentos que acentuam diferentes aspectos da paixão vivida em épocas distintas. Se, em determinada altura da sua vida, a inteligência ocupou o lugar cimeiro do despontar do amor, a escritora confessava na altura que: “Já não é exclusiva. A inteligência partilha agora um lugar igual a uma boa formação moral ou a um bom coração”.

Já, no que concerne ao aspecto físico, as mãos são a parte do corpo mais apreciada face aos olhos ou à boca, por exemplo, sendo a mentira aquilo que menos lhe agrada. E não é apenas nos homens. “Não tolero a mentira no ser humano”, sublinhou a autora, acrescentando que “tolero mais uma traição, porque a traição confessada tem perdão, do que uma mentira insistida”.

E que lugar ocupará a inteligência no compito geral dos testemunhos ouvidos?

Sobre esta matéria, Helena Sacadura Cabral explica: “No livro existem muitas mulheres que respondem que a inteligência é qualquer coisa que elas carecem para que a relação sobreviva, mas não aquilo que desperta a paixão. O coup de foudre não acontece pela inteligência. É uma coisa física e emocional. A inteligência é algo que faz com que a relação se vá solidificando ou que faz com que a relação se vá transformando de amizade em amor”. E, em matéria de amores, também a autora desvenda que teve “alguns” e que foram “os suficientes” para se sentir uma mulher “feliz e contente”.

Ao longo das muitas conversas que sustentam o propósito deste livro, Helena Sacadura Cabral revela que a surpresa dos testemunhos não residiu nas coisas que descobriu, mas sim na forma como as pessoas as entendiam. Segundo a própria, “a paixão pode revestir múltiplos aspectos. Existem pessoas que se consomem de paixão, que só se alimentam para si próprias e quase se deprimem. Outras, pelo contrário, encontram na paixão um alento, uma força, uma capacidade para fazer outras coisas. A verdade é que sobre o mesmo tema existem posições muito diferentes, pois a alma humana é muito complexa e motivada pelas razões mais estranhas”.

 

E o amor terá modas?

Com toda a segurança, a autora confirma e sustenta: “Tem com certeza. ‘Make love, not war’ não é uma moda? O amor como outras vivências sociais é influenciado pela forma como vivemos numa determinada altura e sociedade. As modas são o aspecto exterior de como vivemos o amor e que é bem diferente da emoção. Houve alturas em que o amor era fiscalizado, policiado e depois passou-se para o make love not war que é o oposto, em que existe alguma promiscuidade até na forma como as pessoas se relacionam. Aliás, entre a minha geração e a geração dos meus netos, por exemplo, o que muda no amor é a forma e não o conteúdo. Penso que a expectativa, o anseio e o desejo de partilha é o mesmo, apenas vivenciado de forma diferente”.

A dada altura do livro, Helena Sacadura Cabral escreve que o primeiro passo para o amor estará na lucidez, posteriormente na capacidade de avaliar a compatibilidade ou incompatibilidade de nós com o outro e, por fim, no olhar o homem com o olhar da maturidade.

De acordo com a escritora, “tudo na vida tem um prazo de validade e o amor tem um prazo de validade também. O que é preciso é transformar e alongar essa validade, porque a nossa vida também não é eterna. Portanto, não podemos querer amores eternos se nós não o somos. Acho que a maturidade ajuda a enformar o amor e a dar-lhe tonalidades e formas diferentes. Já a lucidez permite abrir melhor o caminho que nos conduz a alguém. Não se ama aos 50 da mesma forma que se ama aos 20, assim como não se ama dois filhos da mesma forma. O mesmo se passa com um homem. Também ele pede que nós o olhemos de forma única e especial”.

“Porque é que as mulheres gostam dos homens” é dedicado a todos os homens que sabem amar as mulheres.

Em jeito de conclusão indagamos: As mulheres também sabem amar os homens? “Nem todas e, por isso, fiz questão de dizer: aos que sabem amar as mulheres. Amar é uma arte que se apura, que se conquista, que se aprende e que varia. Como digo no livro, uma mulher ama dois ou três homens de forma diferente, não é a mesma mulher com diferentes homens. Isso significa que o amor é uma troca e, portanto, ela também dá em função daquilo que recebe”, conclui Helena Sacuda Cabral.


 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *