Home / Escritores /

Mário Cesariny: um artista multifacetado, controverso e surreal

Mário Cesariny: um artista multifacetado, controverso e surreal

 

Mário Cesariny de Vasconcelos, poeta e pintor que morreu no dia 26 de Novembro de 2006 em Lisboa, aos 83 anos, foi o principal representante do Surrealismo português. Ele foi também um homem irónico e controverso que dispensava aplausos e homenagens. Conheça a sua história neste artigo.

Nascido em Lisboa a 09 de Agosto de 1923, de pai beirão, negociante de jóias, e mãe castelhana, professora de francês, resolveu, a partir de certa altura, prescindir do apelido paterno e nos últimos anos de vida gostava de acrescentar a Cesariny o Rossi dos seus antepassados. Estudou no Liceu Gil Vicente, frequentou o primeiro ano de Arquitectura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa (ESBAL) e mudou depois para a Escola de Artes Decorativas António Arroio, tendo igualmente estudado música com o compositor Fernando Lopes Graça.

Durante o período em que viveu em Paris, em 1947, frequentou a Academia de La Grande Chaumière. Na capital francesa, conheceu o fundador do movimento surrealista francês André Breton, cuja influência o levou a integrar no mesmo ano, embora à distância, o Grupo Surrealista de Lisboa, formado por António Pedro, José Augusto França, Cândido Costa Pinto, Marcelino Vespeira, João Moniz Pereira e Alexandre O’Neill.

“Relógio” de Mário Cesariny

Este grupo surgiu com o objectivo de protestar contra o regime político vigente em Portugal e contra o neo-realismo, mas houve cisões e Mário Cesariny saiu, fundando mais tarde o anti-grupo conhecido como “Os Surrealistas”, com Henrique Risques Pereira, António Maria Lisboa, Fernando José Francisco, Carlos Eurico da Costa, Mário-Henrique Leiria, Artur do Cruzeiro Seixas e Pedro Oom, entre outros. Em 1949, redigiu, com o grupo, o seu manifesto colectivo, “A Afixação Proibida” e promoveu as sessões “O Surrealismo e o seu Público em 1949” e a I Exposição dos Surrealistas.

Quando terminaram as experiências colectivas do que foi quase “um movimento (mais ou menos) organizado”, Cesariny prosseguiu sozinho, como fariam alguns dos seus outros companheiros que sobreviveram à aventura surrealista, com uma actividade inesgotável e orientada em várias direcções.

O cadáver esquisito de Mário Cesariny

Nas suas obras, adoptava uma atitude estética caracterizada pela constante experimentação e praticou uma técnica de escrita e de pintura muito divulgada entre os surrealistas, designada como “cadáver esquisito”, que consistia na elaboração de uma obra por três ou quatro pessoas, num processo em cadeia criativa, em que cada um dava seguimento, em tempo real, à criatividade do anterior, conhecendo apenas uma parte do que aquele fizera. Primeiro, dedicou-se à pintura de forma ocasional e, a partir de certa  altura, de uma forma quase exclusiva, tendo deixando de lado algumas facetas do seu talento.

Deixou de tocar piano (ao que parece, tocava muito bem), depois, foi a vez da escrita. “Secou”, dizia Mário Cesariny. Quando lhe perguntaram uma vez se não sentia necessidade de escrever, respondeu: “Nenhuma. Para quê? A quem? A poesia foi um fogo muito grande que ardeu. Depois ficaram as cinzas. Não sou capaz de fazer versos porque sim. Acabou”, declarou, no documentário “Autografia” (nome de um poema seu), realizado por Miguel Gonçalves Mendes em 2004, o único feito sobre a sua vida e obra.

“Sou um poeta bastante sofrível, um grande poeta numa época em que o tecto está muito baixo”, “sem Anteros, Pessanhas ou Pessoas”, e em que “o surrealismo foi transformado em museu”, afirmou. Contudo, entre a sua extensa obra literária, destaca-se o seu trabalho de antologista, compilador e historiador (polémico) das actividades surrealistas em Portugal, sendo também a sua obra poética considerada um dos mais ricos e complexos contributos para a história da poesia portuguesa contemporânea.

 

Uma poesia primeiro de intervenção contra as poéticas dominantes, no Portugal da década de 40, através da paródia e do pastiche sarcásticos, que se transformou numa poesia da tentativa fracassada de reabilitação da realidade quotidiana e depois, sobretudo, uma poesia do amor louco, desejado, vivido ou mal vivido, abandonado ou traído, cantado ou recordado e reinventado de forma elegíaca.

Para Cesariny, homossexual assumido, o amor era “um desmesurado desejo de amizade”, em que “o outro é um espelho sem o qual não nos vemos, não existimos”, e “a única coisa que há para acreditar”.

“[É] o único contacto que temos com o sagrado. As igrejas apanharam o sagrado e fizeram dele uma coisa muito triste, quando não cruel. O amor é o que nos resta do sagrado”, defendia.

O poeta defendia que se pode morrer de amor – foi, na sua opinião, o que aconteceu a outro surrealista, Ernesto Sampaio, pouco tempo depois da morte da mulher, a actriz Fernanda Alves. Mas considerava que “também se pode morrer de falta de amor”.

A vasta obra de Mário Cesariny

Da sua obra, fazem parte títulos como “Corpo Visível” (1950), “Manual de Prestidigitação” (1956), “Pena Capital”, “Nobilíssima Visão” (1959), “Antologia Surrealista do Cadáver Esquisito” (1961), “A Cidade Queimada” (com arranjo gráfico e ilustrações de Cruzeiro Seixas, 1965), “Burlescas, Teóricas e Sentimentais” (1972), “Primavera Autónoma das Estradas” (1980), “O Virgem Negra. Fernando Pessoa Explicado às Criancinhas Nacionais & Estrangeiras por M.C.V.” (1989) e “Titânia” (1994).

CLIQUE AQUI PARA VER TODA A OBRA DE MÁRIO CESARINY NA FNAC PORTUGAL

CLIQUE AQUI PARA VER TODA A OBRA DE MÁRIO CESARINY NA AMAZON BRASIL

Sobre as sessões para que o convidavam e em que o aplaudiam, o poeta comentava: “Estou num pedestal muito alto, batem palmas e depois deixam-me ir sozinho para casa. Isto é a glória literária à portuguesa”. Em 2005, recebeu as duas únicas distinções da sua carreira: o Grande Prémio Vida Literária APE/CGD, pelo conjunto da sua obra, e a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, que lhe foi entregue pelo então Presidente da República Jorge Sampaio.

Nos últimos anos de vida, desenvolveu uma frenética actividade de transformação e reabilitação ou “redenção” do real quotidiano, da qual nasceram muitas colagens com pinturas, objectos, instalações e outras fantasias materiais. “Gostava de ter daquelas mortes boas, em que uma pessoa se deita para dormir e nunca mais acorda”, afirmou em “Autografia”.

 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *