Home / Clássicos da Literatura /

Mário de Sá-Carneiro: o poeta jovem que partiu cedo demais

Mário de Sá-Carneiro

Mário de Sá-Carneiro: o poeta jovem que partiu cedo demais

Mídia Kit Blog Mundo de Livros
 

Em 1915, com a publicação da primeira revista literária Orpheu, dá-se início à chamada Geração d’Orpheu – um grupo responsável pela introdução do Modernismo nas artes e letras portuguesas. Deste grupo, como devem saber, fizeram parte personalidades como o poeta Fernando Pessoa, os pintores Amadeo de Souza Cardoso e Almada Negreiros e ainda o poeta e contista Mário de Sá-Carneiro.

Cada um destes nomes contribuiu para a Arte Moderna da forma que pode, expressando o seu talento e criatividade. Ao relembrarmos esta época é muito comum lembrarmo-nos logo de Fernando Pessoa e Almada Negreiros – os nomes mais sonantes desta época. No entanto, neste post falamos não de Fernando Pessoas mas de um amigo que lhe era próximo e que com ele dirigiu a primeira edição da revista Orpheu: Mário de Sá-Carneiro.

Nascido em 1890, no seio de uma família abastada da alta burguesia portuguesa, Mário de Sá-Carneiro ficou órfão de mãe com apenas dois anos. Em criança, foi educado pelos avós, mudando-se para Camarate, nos subúrbios da capital. É por volta dos doze anos que começa a demonstrar um interesse para se expressar criativamente através das letras, começando a escrever poesia e a traduzir Victor Hugo, Goethe e Schiller.

Em 1911, já com vinte e um anos, termina o liceu e muda-se para a cidade de Coimbra para estudar Direito. No entanto, a experiência não correu bem e não chegou sequer a terminar o primeiro ano de estudos. No ano seguinte conhece então Fernando Pessoa, que se viria a tornar seu amigo.

Nesse mesmo ano decide trocar a capital pela cidade de Paris, ainda com a intenção de continuar os estudos. Inesperadamente, o seu percurso académico desviou-se para uma vida boémia, passada entre cafés e salas de espetáculo e que não tardou a levá-lo à ruína financeira. Ainda assim é perante este contexto que desenvolve a maior parte do seu trabalho artístico enquanto poeta e escritor.

A carreira literária de Sá-Carneiro, ainda que curta, foi longa o suficiente para nos deixar uma coleção de obras literárias. O escritor, que escreveu poesia, ficção e contos, escreveu as peças de teatro Amizade, com Tomás Cabreira Júnior, e Alma, com António Ponce de Leão. À sua bibliografia somam-se três livros de ficção, Princípio (novelas), Céu em Fogo (novelas), e A Confissão de Lúcio (romance). E não podia faltar também o trabalho poético: Dispersão e Indícios de Oiro, este último publicado postumamente.

Nas suas obras, a sua voz poética e as personagens de ficção frequentemente apresentam um sujeito originário de um contexto semiperiférico — Portugal e o espaço cultural de língua portuguesa — que experiencia a vivência duma metrópole central, europeia e capitalista — Paris.

Durante algumas visitas que fez a Portugal, conheceu Almada Negreiros e, com Fernando Pessoa, integrou o primeiro grupo modernista português, responsável pela edição da revista literária Orpheu (e que por isso mesmo ficou sendo conhecido como a Geração d’Orpheu).

A contribuição de Mário de Sá-Carneiro para o movimento modernista e de vanguarda é atualmente objeto de interesse internacional, como se percebe pela grande quantidade de colóquios e publicações internacionais nos anos recentes, existindo mesmo um novo website que visa contribuir para divulgar o seu trabalho.

A maior parte da correspondência que trocou entre 1912 e 1916 encontra-se disponível no site Mário Sá-Carneiro Online, para consulta por todos os utilizadores.

Em 1915 o poeta começou a demonstrar sinais de depressão e angústia, principalmente através de cartas que escrevia a Fernando Pessoa e onde sublinhava que se sentia perdido no “labirinto de si próprio”. Esta depressão acaba por vencer, em 1916, quando Sá-Carneiro se suicida no Hotel de Nice, em Paris, com apenas 25 anos.

 

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
AdobeStock
 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *