Home / Literatura de Ficção /

Maze Runner: a distopia adolescente que enfrenta o medo pelo desconhecido

maze runner

Maze Runner: a distopia adolescente que enfrenta o medo pelo desconhecido

 

O que fazias se acordasses de repente dentro de um elevador em andamento, sem qualquer recordação de tudo o que te aconteceu? Este é o início do livro Maze Runner – Correr ou Morrer que nos apresenta pela primeira vez a história de Thomas, um rapaz que vê a sua vida completamente alterada – ainda que não se recorde do passado – ao submergir de um elevador para aquele que é um labirinto cheio de perigos e inimigos.

Em setembro de 2014, quando o filme Maze Runner chegou ao cinema, vi o trailer na Internet e não demorei a ficar interessado na história. Andava numa onda de ler distopias Yound Adult, como The Hunger Games e Divergent, e portanto Maze Runner parecia-me um bom descendente destas duas sagas.

Não tardei muito a assegurar a minha cópia do livro e a ler a história de uma ponta à outra, mesmo a tempo de ir ver a adaptação cinematográfica num dos primeiros dias após a estreia. O facto do livro contar com uma ação rápida e emocionante, distribuída em capítulos curtos, proporcionou uma leitura rápida e divertida.

Mas o que retrata realmente o livro Maze Runner, de James Dashner? Não é surpreendente perceber que este livro se apresenta no género de distopia e Young Adult, dois géneros que têm crescido nos últimos anos. Muito semelhante a sagas a outras sagas que apelam ao mesmo público, o livro de James Dashner consegue cativar e mostrar uma faceta ainda mais negra dentro do género. A escrita é simples, própria para jovens leitores, mas a história consegue tornar-se complexa, cheia de mistérios que exigem ser resolvidos.

Você encontra todos os livros mencionados neste artigo nos seguintes sites:

LIVRARIA SARAIVA

AMAZON BRASIL

LIVRARIA CULTURA

FNAC BRASIL

FNAC PORTUGAL

SUBMARINO

Maze Runner: conheça um pouco do enredo

Retomemos então à sinopse do livro Maze Runner – Correr ou Morrer. Ao acordar dentro de um elevador, a única coisa de que Thomas se lembra é do seu nome. Tudo o resto parece ter sido misteriosamente apagado da sua mente. Todavia, quando o elevador termina a ascensão e Thomas surge num espaço conhecido como a Clareira, percebe que faz parte de algo maior e inexplicável. A sua tentativa frustrada e desesperada para se descobrir a si mesmo, e tentar perceber o seu papel num jogo maior, faz parte da angústia deste livro.

Na Clareira, um grupo de rapazes de diferentes idades está pronto para o receber. Na verdade, já nenhum deles estranha a sua chegada, sabendo que faz parte da rotina. É frequente chegarem novos rapazes (sim, apenas rapazes), um a um, a cada trinta e cinco dias. Os novos rapazes chegam sempre sem qualquer recordação das suas vidas passadas e rapidamente entram no ritmo do dia-a-dia da Clareira.

A Clareira é o espaço que marca o centro do labirinto: uma estrutura gigantesca com muros muito altos, feitos de pedra. Nenhum dos rapazes percebe o que lhes está a acontecer, mas todos sabem (ou suspeitam) que o segredo passa por conseguir resolver o labirinto e encontrar uma saída. Todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca abrem-se, e à noite fecham-se: quem fica fechado uma noite no seu interior nunca regressa, devorado pelas terríveis criaturas que surgem ao anoitecer.

Ainda assim, o grupo de rapazes faz o seu melhor para resolver o labirinto. Todos os dias um grupo de Runners parte da Clareira e mergulha no labirinto, testando novos caminhos, tentando encontrar novas pistas, sempre à procura de uma saída… Thomas não tarda a juntar-se a eles.

Todavia, uma reviravolta que ninguém antevia sucede-se quando o elevador chega mais cedo do que o costume. E desta vez não transporta um rapaz, mas sim uma rapariga. Teresa, tal como os outros, não tem qualquer recordação da vida fora do labirinto mas traz consigo algo de novo: uma mensagem. De quem? Os rapazes não conseguem perceber, mas será de certo dos responsáveis por detrás do labirinto.

A mensagem é curta: labirinto tem de ser resolvido, caso contrário morrerão. As provisões alimentares enviadas regularmente vão cessar. É aqui que começa a verdadeira aventura: será que o grupo conseguirá quebrar o labirinto? Será que todos sobreviverão? E, acima de tudo, o que lhes espera além da saída?

É interessante perceber que este parece ter sido um livro escrito já para um público segmentado e com a ideia de lucrar milhões com uma adaptação cinematográfica. Quando o primeiro livro da série saiu, o autor James Dashner vendeu rapidamente os direitos à 20th Century Fox, que se pronunciou imediatamente sobre o interesse em adaptar o livro.

O livro Maze Runner – Correr ou Morrer foi sucedido por duas sequelas, nomeadamente As Provas de Fogo e A Cura Mortal. Duas prequelas, Ordem de Extermínio e O Código da Febre surgiram também mais tarde, assim como o livro Arquivos que pode ser usado como companion e permite ao leitor ler e-mails e documentos privados de uma organização que assume grande importância na história.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
AdobeStock

Partilhar este artigo

Comments

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *