Home / Cultura e Sociedade /

Os 6 melhores livros infantis para ajudar as crianças com a língua inglesa

Os 6 melhores livros infantis para ajudar as crianças com a língua inglesa

     

No dia 2 de abril é comemorado o Dia Internacional do Livro Infantil. Pensando nisto, diversos linguistas do aplicativo de idiomas Babbel selecionaram os melhores livros infantis para ajudar as crianças com a língua inglesa. Assim, neste artigo pode conhecer 6 obras literárias que, de forma simples, podem auxiliar os mais pequenos na aprendizagem do inglês.

Além disso, as dicas são fundamentais para os pais que nestes tempos de crise precisam manter os filhos por mais tempo em casa, por conta das medidas preventivas contra a pandemia do coronavírus Covid-19. Aproveite a quarentena para incentivar a aprendizagem através da fantasia.

6 livros para ajudar as crianças com a língua inglesa

Título: The Gruffalo (tradução livre: O Gruffalo)

Autora: Julia Donaldson

Ilustrador: Axel Scheffler

Em 2020, The Gruffalo comemora 20 anos como um dos monstros mais amados do mundo. O livro é bem-humorado e apresenta um vocabulário divertido para as crianças. Desde que foi publicado pela primeira vez, em 1999, a história do monstro com o ratinho marrom continua encantando crianças e adultos. A obra infantil se tornou estrela dos palcos e das telas, traduzida em 50 idiomas, além de ter sido eleita a história de ninar favorita do Reino Unido.

Título: Goodnight Moon (trad. livre: Boa noite, lua)

Autora: Margaret Wise Brown

Ilustrador: Clement Hurd

Este clássico da literatura infantil combina poesia com ilustrações suaves – ideal para a leitura de pais e filhos antes de dormir. “As palavras são precisas e rítmicas, apesar de não rimarem. Harmonizam tão bem que até o leitor mais contido acaba se tornando um poeta”, comenta Ted Mentele, linguista americano da Babbel.

Título: Crocodile Crocodile (trad. livre: Crocodilo, Crocodilo)

Autor: Peter Nickl

Ilustradora: Binette Schroeder

Deitado à beira do rio Nilo, o crocodilo Omar observa algumas senhoras elegantes passeando e conversando. Ele, então, ouve sobre  uma loja de crocodilos que vende coisas maravilhosas. Ele, então, desce o rio, atravessa o mar, anda por terra e chega em Paris, onde todos saem do caminho dele correndo e gritando. Quando encontra o comércio – que decepção. As coisas vendidas na loja de crocodilos não são para crocodilos, mas feitas de pele de crocodilo. A vingança do Omar encerra a história de maneira engraçada e inteligente.

Título: This is not my hat e I want my hat back (tradução livre: Este não é meu chapéu/ Quero meu chapéu de volta)

Autor e ilustrador: Jon Klassen

Dois contos hilários sobre chapéus perdidos e lindamente ilustrados. This is not my hat e I want my hat back se mantiveram por 43 semanas e 48 semanas, respectivamente, na lista de bestsellers do New York Times. O primeiro título foi designado como o livro infantil mais notável – também pelo New York Times.

Título: Where the wild things are (tradução livre: Onde as coisas selvagens estão)

Autor e ilustrador: Maurice Sendak

Um dos livros infantis preferidos do Obama, o ex-presidente dos Estados Unidos. Em 2016, ele até performou uma leitura do livro com a  então primeira-dama, Michelle Obama, na Casa Branca. O livro é inspirado na infância do autor, sua juventude no Brooklyn (Nova Iorque) e seu relacionamento com seus pais. Quando Maurice era criança, sua mãe costumava chamá-lo de “vilde chaya”, que significa “animal selvagem” em iídiche (uma versão do idioma alemão falada por uma parte dos judeus).

Título: Guess How Much I Love You (tradução livre: Adivinhe o quanto eu amo você)

Autor: Sam McBratney

Ilustradora: Anita Jeram

McBratney trabalha há 40 anos escrevendo livros, contos e roteiros de rádio. Esse livro, em especial, já vendeu 30 milhões de cópias e foi traduzido para 53 idiomas. “O melhor de ser o autor de um livro tão popular é que, em algum lugar do mundo, eu sei que uma mãe ou um pai está lendo minha história para a pessoa mais preciosa da vida deles”, confessou o autor para o jornal inglês The Guardian.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *