Home / Literatura de Ficção /

Nascidos Duas Vezes: a relação de um pai com o seu filho deficiente

nascidos duas vezes

Nascidos Duas Vezes: a relação de um pai com o seu filho deficiente

 

Amargo, dramático, irónico e apaixonado: assim se caracteriza o romance de Giuseppe Pontiggia, intitulado Nascidos Duas Vezes, que conta na primeira pessoa a complexa relação de um pai com o seu filho deficiente. Uma viagem extraordinária, bela e verdadeira, que caminha através das nossas limitações e através do amor e da dor.

Esta história tem como figura principal o pai, o Professor Frigerio, que acompanha a evolução do filho, Paolo, desde o seu nascimento até atingir a maturidade, pondo a descoberto o vaivém entre o sentido de responsabilidade, o sentimento de culpa, o desejo de fuga e a aceitação dos limites.

Bem no início do livro é desvendado o porquê do título. Numa consulta ao médico, o doutor diz a Frigerio o seguinte: “Estas crianças são nascidas duas vezes. O segundo nascimento depende de vocês, no que são capazes de lhe dar.” Levando isto a peito, Frigerio começa de imediato a procurar terapeutas, grupos de apoio, uma escola com um ambiente saudável, psicólogos e qualquer apoio que possa assegurar ao seu filho a melhor hipótese de vingar na vida.

Mais do que lidar com as limitações da personagem com deficiência, este é um livro que nos leva ao lado mais intimista de quem vive com deficientes.  Nascidos Duas Vezes mostra, aliás, as limitações de um homem são e completamente normal. À medida que a história avança, Frigerio é confrontado com a estranha forma como a sociedade lida com a deficiência do filho e observa os seus talentos surpreendentes. Professor de línguas, percebe ainda as evidentes diferenças que existem entre deficientes e pessoas normais.

O penoso caminho que tem de enfrentar na educação do seu filho, na aprendizagem da autonomia, transforma-se progressivamente também na aprendizagem de uma arte de viver e na acedência a uma nova e mais rica visão da existência.

Nascidos Duas Vezes é dedicado a “todos os deficientes que lutam não para serem normais mas sim eles próprios” e é através do testemunho vivo deste pai que se consegue compreender o mundo em que estas pessoas vivem e o esforço que fazem para não serem olhadas de maneira diferente. “Quem é aquele rapaz que anda cambaleando ao longo dos muros? Vejo-o pela primeira vez, é um deficiente. Penso naquilo que teria sido a minha vida sem ele. Não, não consigo. Podemos imaginar muitas vidas, mas não desistir da nossa”.

Uma memória tocante sobre a paternidade que valeu ao autor italiano Giuseppe Pontiggia o prémio Campiello 2001 e que marcou a sua estreia no mercado norte-americano. Com traços de humor e momentos que nos deixam a pensar no sentido da vida, as personagens de Pontiggia mantêm-se vívidas em nós mesmo depois de terminarmos o livro.

Quem foi o autor de Nascidos Duas Vezes?

Nascido em Como, Itália, a 25 de setembro de 1934, Giuseppe Pontiggia mudou-se para Milão quando tinha catorze anos. Em 1959 graduou-se na Universidade Católica de Milão com uma tese sobre Italo Svevo. É assim que, depois de uma primeira antologia de contos publicada em 1959, o autor decide dedicar-se inteiramente à escrita a partir de 1961.

Com um primeiro romance publicado em 1969, intitulado de L’arte della fuga, foi apenas com o livro Nascidos Duas Vezes, de 2001, que conseguiu reconhecimento internacional. Em 2003, na sequência um acidente cardiovascular, morreu em Milão.

 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *