Home / Biografias /

Primo Levi questiona se isto é um Homem

Primo Levi questiona se isto é um Homem

 

Primo Levi é autor e personagem de um livro autobiográfico, que abre a porta para um tempo onde ser judeu era crime, embora na altura questionasse porquê. A narrativa começa em 1943, termina em 1945. Auschwitz, que naquele tempo não era um museu, foi o espaço principal da história que, à luz dos dias de hoje, quase parece fictícia. Mas não foi.

Nascido na cidade italiana de Turim, Primo Levi formou-se em Química, todavia é pelas Letras que o mundo o recorda. Considerado como um dos principais autores do seu tempo, Levi deixou para a história um importante relato da realidade judaica no período nazi. Se Isto é um Homem é o título do livro onde descreve o período que viveu desde a captura até à libertação.

Tudo começou em 1943, altura em que foi preso por fazer parte da resistência contra o regime fascista de Mussolini. Através de uma escrita direta, onde emoções primárias são expostas, Levi fala da redução do Homem à qualidade de qualquer outra coisa, questionando-se a si próprio se aquilo que foi durante aquele período, era realmente um Homem (apesar de na altura não ter pensado muito nisso).

A objetividade rigorosa com que relata o dia-a-dia no Lager chega quase a assustar. Ao longo das páginas, o autor transpõe as preocupações de quem viveu e em Auschwitz e, curiosamente, estas não foram nem tão heroicas, nem tão revoltadas quanto aquelas que à primeira vista podemos imaginar. Pelo contrário, foram pensamentos primários que pouco iam além de comer, dormir e descansar mais um pouco.

Se Isto é um Homem: O dia-a-dia em Auschwitz

Da viagem de comboio, passando pelo processo aleatório de seleção de quem vivia ou morria, até aos dias de trabalho pesado. Se Isto é um Homem mostra a realidade num “Campo de Babel”, onde se cruzaram nacionalidades e línguas, e onde se estabeleceram dinâmicas próprias de uma espécie de sociedade onde o Homem não era algo que podia ser apelidado de tal.

Com descrições pormenorizadas e assustadoramente sóbrias, Levi fala, entre outras coisas, de como se criou uma espécie de mercado negro, onde pedaços de pão funcionavam como moeda de troca e onde se roubavam uniformes para mais tarde negociar uma porção de sopa. A enfermaria era uma espécie de lugar onde alguns desejavam ir para poderem descansar, embora não conviesse ter uma doença demasiado grave já que tal poderia ser sinónimo de “desaparecimento”.

Descontos!
 

A aceitação de uma realidade, o abandono dos sonhos e a inexistência de objetivos são um traço comum àqueles cujos pensamentos não iam muito além da próxima refeição ou de como proteger os poucos bens que lhe eram concedidos. É mesmo caso para dizer que o distanciamento leva faz parecer com que houvesse duas pessoas distintas: um Levi escritor e um Levi personagem.

Se Isto é um Homem: Uma obra intemporal

De leitura obrigatória, Se Isto é um Homem mostra a humanidade como ela é (ou foi), sem nunca a julgar. Embora esteja situada num período específico – o da II Guerra Mundial -, podemos dizer que a obra é intemporal já que é capaz de refletir o ser-humano no seu estado mais primário.

O livro levanta questões sobre aquilo que nos torna ou não humanos, levando-nos a refletir à medida que o processo de “desumanização” vai ocorrendo. E essa questão é, sem dúvida, intemporal.

Primo Levi suicidou-se no dia 11 de abril de 1987, sendo que o holocausto é uma das razões usadas para explicar a depressão de que sofria. Na altura, Elie Wiesel, Nobel da Paz de 1986, afirmou que “Primo Levi morreu em Auschwitz há 40 anos atrás”.


 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *