Home / Archives /

Eça de Queiroz

Eça de Queiroz / 5 posts encontrados

A Ilustre Casa de Ramires: nova tradução da obra de Eça de Queirós

De forma surpreendente, quase meio século depois da primeira tradução em inglês, foi lançada no Reino Unido uma nova edição de "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, a décima da tradutora e sua "admiradora" Margaret Jull Costa.

Entrevista com neta de Eça de Queiroz: “Aprecio muito a Verdade” (Parte III)

Neste último segmento da entrevista com Maria das Dores Eça de Queiroz de Mello, a neta de Eça de Queiroz avaliou os efeitos do 25 de Abril de 1974, reflectiu sobre o estado do Mundo e relembrou como aprecia a Verdade acima de todos os outros valores.

Um livro-álbum sobre a viagem de Eça de Queirós ao Egipto

Em 2015 celebramos os 170 anos do nascimento de Eça de Queirós, um dos nomes mais notáveis do Realismo literário nacional. Em jeito de celebração, decidimos recordar neste post uma obra biográfica que lança um olhar interessante à vida do autor e nos mostra como foi a viagem que fez ao Egipto, ao lado do Conde de Resende.

Entrevista com a Marquesa de Ficalho, neta de Eça de Queiroz (Parte II)

Nesta segunda parte da entrevista com Maria das Dores Eça de Queiroz de Mello, a neta do Mestre da Ironia abordou as influências Queirosianas na sua vida. Apesar de nunca ter conhecido fisicamente o avô, a Marquesa de Ficalho tem poucas dúvidas sobre a importância exercida por Eça de Queiroz durante a infância: “Não podia deixar de marcar a nossa vida, porque o meu pai vivia debruçado sobre os manuscritos para publicar os livros póstumos”.

Entrevista com a Marquesa de Ficalho, neta de Eça de Queiroz (Parte I)

Em 2003 tive o enorme prazer de entrevistar Maria das Dores Eça de Queiroz de Mello, neta de um dos maiores escritores de língua de portuguesa de sempre: Eça de Queiroz. Lamentavelmente, a Marquesa de Ficalho faleceu pouco tempo depois em Abril de 2004. Agora, volto a publicar a entrevista em três partes distintas: é a minha Homenagem a uma senhora encantadora que nunca consegui esquecer.