Home / Biografias /

Thomas Mann: moral e a humanidade entre duas guerras

Thomas Mann: moral e a humanidade entre duas guerras

 

Thomas Mann, o Nobel da Literatura alemão, nasceu a 6 de Janeiro de 1875 e destacou-se pela escrita de obras como Morte em Veneza, romance lançado em 1912 e que conta a história de um homem que se apaixona platonicamente por um jovem polaco. Com um enredo reduzido e controverso, o clássico é reconhecido pelos múltiplos sentidos que cada parágrafo carrega. Todavia, este é só um dos muitos contributos de Thomas Mann para a literatura.

Natural da cidade de Lübeck, Thomas Mann é filho de um mercador alemão e de uma descendente de alemães com propriedades no Brasil. À medida que foi crescendo, foi-lhe incumbida a tarefa de tratar dos negócios da família. Nesta sequência, os pais colocaram-no no Katharineum, uma escola da qual nunca gostou. Apesar da resistência à educação, o futuro escritor viria a desenvolver um tipo de aprendizagem autodidata.

Os planos sofreram grandes alterações quando o pai faleceu, tinha Thomas Mann apenas 15 anos. A empresa foi vendida e a família mudou-se para Munique. Por essa altura, Mann tinha acabado a escola (ainda que a custo), começando a trabalhar no escritório de uma companhia de seguros. Pouco tempo depois, iniciou a atividade no jornalismo e tornou-se presença assídua em conferências sobre política, economia e artes.

A primeira obra foi publicada em  em 1898 e chama-se Der kleine Herr Friedemann. Antes disso, Thomas Mann passou uma temporada em Itália e foi precisamente na capital do país que começou a escrever Buddenbrooks, um livro que se tornou um clássico e que inclusive já foi várias vezes adaptado ao cinema. Seguiram-se outras histórias mais pequenas, algumas com forte influência italiana.

Em 1905 casou-se com Katherina Hedwig Mann, uma jovem cuja família estava ligada à luta pelos direitos humanos. A primeira obra pós-matrimónio foi  Königliche Hoheit, uma crítica às questões da moralidade e à aristocracia, que provocou admiração geral. Todavia, o grande êxito, Morte em Veneza, surgiria alguns anos depois em 1913.

Thomas Mann: interregnos e assuntos

Na altura em que estava a escrever Morte em Veneza, Thomas Mann já estava a pensar em A Montanha Mágica. Todavia, a obra seria apenas publicada em 1924, dada a interrupção na escrita motivada pela I Guerra Mundial. Nesse período, o escritor dedicou-se a Considerações de um Apolítico, uma reflexão sobre o Homem, lançada em 1918. Durante o conflito, Mann deu várias conferências em países neutros.

K_MontanhaMagica.qxpMas foi o sucesso de A Montanha Mágica que tornou o seu nome conhecido universalmente conhecido, vendendo milhares de cópias. Na obra exploram-se questões relativas à Humanidade e o conceito de Homem enquanto ser moral e social.

O contributo para a literatura valeu a Thomas Mann a distinção com o Prémio Nobel de Literatura em 1929. Com a ascensão de Hitler, o escritor decidiu mudar-se para a Suíça. A contestação contra o regime nazi fez com que fosse expatriado em 1936, perdendo inclusive alguns títulos que lhe tinham sido atribuídos.

Em 1940, foi recebido pelos Estados Unidos da América que rapidamente o consideraram cidadão norte-americano. Daí em diante, viveu na Califórnia, mas, com o fim da guerra, visitou frequentemente o Velho Continente até que, em 1949, resolveu regressar de vez. Thomas Mann faleceu em 1955, numa localidade perto de Zurique, Suíça. Para trás, ficou um enorme legado na luta contra o regime nazi, mas sobretudo um enorme contributo para o mundo das letras.

Pode encontrar todas as obras de Thomas Mann na Amazon ou na Fnac


 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *