Home / Literatura de Ficção /

Uma Morte Súbita: o início do lado adulto de Rowling

uma-morte-súbita

Uma Morte Súbita: o início do lado adulto de Rowling

 

Com o último livro de Harry Potter, em 2007, a britânica J. K. Rowling encerrou um capítulo da sua vida. Em 2010, voltou a lançar-se como escritora mas desta vez com algo que ultrapassa as barreiras do mundo mágico tão conhecido de miúdos e graúdos.

The Casual Vacancy, traduzido em Portugal para Uma Morte Súbita, é o primeiro romance adulto da escritora e apresenta-nos uma realidade brutal, com personagens que podiam ser nossos vizinhos e que não têm medo de dizer palavrões ou de fazer sexo.

A história passa-se numa pequena vila fictícia, chamada de Pagford, situada algures na Grã-Bretanha. Quando Barry Fairbrother morre e deixa um lugar no conselho da Junta de Freguesia, os conterrâneos começam imediatamente uma guerra pela conquista desse lugar vago deixado por aquela morte tão súbita. Cada candidato tem o seu interesse pessoal, mas o vencedor terá o direito de votar numa questão debatida na vila há anos: será que podem excluir da freguesia o pequeno bairro social que inesperadamente proliferou nos subúrbios?

Enquanto Pagford é a típica vila britânica, com os seus ideais conservadores, casas vitorianas e chás das cinco, Fields é o terrível bairro social coberto com graffittis e habitado maioritariamente por drogados. O que o vencedor das eleições pode decidir é se Pagford se pode livrar daquela mancha no bom nome da vila ou se deve continuar a investir nela.

Uma Morte Súbita: um mundo de assimetrias

Nesta guerra fria, a Internet substitui a varinha quando as personagens entram em batalha. E há corrupção, tal como se faz na boa política. Existem fantasmas, mas desta vez não são os mesmos que em tempos percorreram a escola de Potter; encontramos casos do dia-a-dia, casamentos a ruir, bullying nas escolas e dramas familiares que alimentam os mexericos das coscuvilheiras.

uma-morte-subita-capaEm Uma Morte Súbita, as personagens adolescentes têm novamente destaque, talvez até mais do que as personagens adultas, porque de uma forma incrível provam a sua maldade e traçam as suas próprias armadilhas. E é todo este enlace de acções, o cruzamento das personagens entre Pagford e Fields, que acaba por conduzir a um fim catársico ao som de música pop.

 

Na minha opinião, Uma Morte Súbita é uma boa estreia de Rowling no mundo da literatura adulta. Por um lado, acredito que tinha sido a oportunidade para ela escrever tudo aquilo que nunca pôde escrever em Harry Potter, para se libertar da fantasia e ser mais realista com o mundo. Teve a sua oportunidade para dizer palavrões e para quebrar o tabu da sexualidade.

Mas, por outro lado, acho que descarregou neste livro uma série de temas que seria difícil encontrar num círculo tão pequeno como uma vila: auto-mutilação, obsessão compulsiva, violação, drogas, entre uma série de outros.

Para mim, que cresci a ler Harry Potter, este livro foi sem dúvida uma surpresa e um marco na carreira da autora. Rowling consegue, definitivamente, escrever muito mais do que para além do rapaz que vivia debaixo de um armário nas escadas.


 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *