Home / Literatura /

Confira o Top 10 de Livros mais vendidos em Junho 2017 em Portugal

Confira o Top 10 de Livros mais vendidos em Junho 2017 em Portugal

Eduardo Aranha
by Eduardo Aranha

Share this article

Procura um bom livro para ler mas não sabe qual escolher? Bem, talvez as tendências do momento e aquilo que os outros leitores têm comprado o ajudem a tomar a decisão acertada. Nos próximos parágrafos apresento o top 10 de livros mais vendidos em junho 2017 em Portugal, fazendo acompanhar cada título pela sua sinopse.

Em junho, mês em que os portugueses se começam a preparar para a época balnear, tornam-se populares certos livros típicos de praia. Não é por isso de estranhar que o top 10 espelhe gostos diferentes, que se encaixam quer nas necessidades e gostos do pai, quer nos interesses da mãe e sem esquecer, claro, os mais pequenos.

A liderar as vendas de junho esteve o livro O Paraíso na Outra Esquina de Mário Vargas Llosa – vencedor do Nobel da Literatura em 2010 – mas também obras mais recentes e badaladas, como o best-seller internacional A Rapariga do Comboio (que mantém a mesma popularidade de há dois anos) e o mais recente livro da mesma autora, Escrito nas Águas.

Surpreendentemente, e talvez por se ter celebrado em junho os 20 anos do lançamento do sétimo livro de Harry Potter, o último livro da saga faz também parte deste top, entre uma série de outras novidades. O melhor mesmo é conferir pelos seus próprios olhos os títulos que se encontram reunidos abaixo.

Top 10 de Livros mais vendidos em Junho 2017 em Portugal

1 – O Paraíso na Outra Esquina

Onde se encontra o Paraíso? Na construção de uma sociedade igualitária ou no retorno ao mundo primitivo? Duas Vidas: a de Flora Tristán, que põe todos os seus esforços na luta pelos direitos de mulher e dos operários, e a de Paul Gauguin, o homem que descobre a sua paixão pela pintura e abandona uma existência burguesa para viajar para o Tahiti em busca de um mundo não contaminado pelas convenções. Duas concepções do sexo: a de Flora, que só vê nele um instrumento de domínio masculino, e a de Guaguin, que a considera uma força vital imprescindível posta ao serviço da sua criatividade.

2 – Mais um Dia de Vida

Ryszard Kapuscinski, escritor e um dos maiores repórteres do século XX, esteve em Angola num período conturbadíssimo: entre o 25 de Abril de 1974 e a independência do país africano, em Novembro de 1975. Mais Um Dia de Vida – Angola 1975 é o extraordinário relato dessa época. Depois de 400 anos de domínio colonial, assiste-se ao violento surgimento de um país novo, imerso numa sangrenta guerra de guerrilha que visa decidir quem governará a nação libertada.

3 – A Rapariga no Comboio

O êxito de vendas mais rápido de sempre.O livro que vai mudar para sempre o modo como vemos a vida dos outros. Todos os dias, Rachel apanha o comboio… No caminho para o trabalho, ela observa sempre as mesmas casas durante a sua viagem. Numa das casas ela observa sempre o mesmo casal, ao qual ela atribui nomes e vidas imaginárias. Aos olhos de Rachel, o casal tem uma vida perfeita, quase igual à que ela perdeu recentemente. Até que um dia…Rachel assiste a algo errado com o casal… É uma imagem rápida, mas suficiente para a deixar perturbada. Não querendo guardar segredo do que viu, Rachel fala com a polícia. A partir daqui, ela torna-se parte integrante de uma sucessão vertiginosa de acontecimentos, afetando as vidas de todos os envolvidos. De leitura compulsiva, este é o thriller do momento, absorvente, perturbador e arrepiante.

4 – Alex no País do Números

A matemática tem muitas vezes má reputação, sendo caracterizada como árida e difícil. Mas, diz Alex Bellos, «a matemática pode ser inspiradora e brilhantemente criativa. O pensamento matemático é um dos maiores feitos da raça humana, e possivelmente o fundamento de todo o progresso humano. O mundo da matemática é um local notável.» O autor viajou pelo planeta e mergulhou na História para desvendar fascinates histórias de façanhas matemáticas, desde as inovações de Euclides, o maior matemático de todos os tempos, às criações do mestre Zen do origami, que é hoje em dia uma das áreas mais activas do trabalho matemático. Conduzindo-nos às selvas amazónicas, conta a história de uma tribo nativa que só consegue contar até cinco e relata as mais recentes descobertas sobre a intuição matemática – incluindo a revelação de que as formigas conseguem contar toos os passos que dão.

5 – Harry Potter e os Talismãs da Morte

É neste sétimo volume que Harry Potter irá travar a mais negra e perigosa batalha da sua vida. Dumbledore reservou-lhe uma missão quase impossível – encontrar e destruir os Horcruxes de Voldemort… Nunca, em toda a sua longa série de aventuras, o jovem feiticeiro mais famoso do mundo se sentiu tão só e perante um futuro tão sombrio. Chegou o momento do confronto final – Harry Potter e Lord Voldemort… nenhum pode viver enquanto o outro sobreviver… um dos dois está prestes a acabar para sempre… Os seus destinos estão misteriosamente entrelaçados, mas apenas um sobreviverá… Numa atmosfera apoteótica e vibrante, Rowling desvenda-nos, por fim, os segredos mais bem guardados do universo fantástico de Harry Potter e deixa-nos envoltos, talvez para sempre, na sua poderosa magia. Este sétimo volume tem sido considerado pelo público e pela crítica como o melhor de toda a série Harry Potter.

6 – Cento e Onze Discos Portugueses

Este livro é resultado de uma iniciativa da Antena 3 para comemorar os oitenta anos da rádio pública em Portugal. Inicialmente pensado como antologia de discos simbólicos para a Rádio Portuguesa, transformou-se num projecto mais ambicioso, uma verdadeira antologia de discos fundamentais para contar a história da música portuguesa e, em paralelo, a da rádio pública no nosso país. Para dar sentido e consistência ao projeto, os organizadores convidaram investigadores, jornalistas, críticos, divulgadores e melómanos ligados ao universo radiofónico a fazer as suas escolhas e a defender os seus argumentos, daí resultando um apanhado da mais significativa música gravada e editada em Portugal da autoria de pessoas com papel determinante na divulgação de música no nosso país.

7 – A Orgia do Poder

A história nunca contada de Jorge Mendes, o superagente português que se tornou o patrão do futebol mundial. Um livro que aborda pela primeira vez a rede de influências construída pelo empresário português Jorge Mendes, na qual encontramos vários dos mais importantes clubes de futebol, presidentes, treinadores, jogadores e até jornalistas. Forte, acutilante, directo, arrojado. Incómodo. Revelador e polémico. Um livro que vai fazer-nos mudar a forma de olharmos o futebol mundial.

8 – Escrito na Água

Um thriller intenso, da autora do bestseller mundial “A Rapariga no Comboio“. Cuidado com as águas calmas. Não sabemos o que escondem no fundo. Nel vivia obcecada com as mortes no rio. O rio que atravessava aquela vila já levara a vida a demasiadas mulheres ao longo dos tempos, incluindo, recentemente, a melhor amiga da sua filha. Desde então, Nel vivia ainda mais determinada a encontrar respostas. Agora, é ela que aparece morta. Sem vestígios de crime, tudo aponta para que Nel se tenha suicidado no rio. Mas poucos dias antes da sua morte, ela deixara uma mensagem à irmã, Jules, num tom de voz urgente e assustado. Estaria Nel a temer pela sua vida? Que segredos escondem aquelas águas? Para descobrir a verdade, Jules ver-se-á forçada a enfrentar recordações e medos terríveis há muito submersos naquele rio de águas calmas, que a morte da irmã vem trazer à superfície.

9 – SOS Ansiedade

Num país em que o consumo de ansiolíticos é muito elevado, este livro vem esclarecer e ajudar os que sofrem de ansiedade. Neste livro, Enrique Rojas ajuda-nos a:- Entender a ansiedade e a perceber se é dela que padecemos ou não; – Detetar as diferenças entre medo, pânico, fobias e ansiedade; – Detetar os sinais de alerta, com foco nos menos óbvios; – Perceber quais são as terapias possíveis; – Lidar com a utilização de medicamentos. Com conselhos práticos e simples, este livro permite-nos recuperar a tranquilidade, dominas as emoções do momento e aprender a relativizar os acontecimentos.

10 – 1984

Segundo Orwell, «Mil Novecentos e Oitenta e Quatro» é uma sátira, onde aliás se detecta inspiração swifteana. De aparência naturalista, trata das realidades e do terror do poder político, não apenas num determinado país, mas no mundo — num mundo uniformizado. Foi escrito como um ataque a todos os factores que na sociedade moderna podem conduzir a uma vida de privação e embrutecimento, não pretendendo ser a «profecia» de coisa nenhuma.

POSTS RELACIONADOS

 

Share this article

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *