Home / Biografias /

Molly Bloom e a A Grande Jogada: uma autobiografia imperdível!

Molly Bloom e a A Grande Jogada: uma autobiografia imperdível!

Share this article

A vida de um atleta olímpico é tudo menos normal. O percurso para o topo de uma modalidade exige anos de treino intensivo e uma dedicação absoluta. E mesmo que haja talento e muito trabalho, nada está garantido.

Esta última frase resume na perfeição aquilo que começou por ser a vida de Molly Bloom. A sua autobiografia A Grande Jogada chegou ao mercado em 2014 e foi adaptada ao grande ecrã em 2017.

Nascida em 1978, Molly Bloom é uma antiga esquiadora norte americana (natural do Colorado) que treinou arduamente durante toda a sua infância e adolescência para conseguir alcançar o sonho de representar o seu país nas Olimpíadas.

Filha de um psicólogo e professor universitário altamente exigente e de uma instrutora de esqui e snowboard, Molly esteve desde cedo sujeita aos elevados padrões dos seus pais e tinha uma enorme pressão em cima dos ombros para ser bem-sucedida.

Um dos seus irmãos é nada mais nada menos que Jeremy Bloom, um antigo esquiador Olímpico e jogador de futebol americano dos Philadelphia Eagles – sim, Jeremy conseguiu chegar ao mais alto nível em dois desportos diferentes e altamente competitivos. O outro irmão é Jordan, um cirurgião de renome formado em Harvard.

É difícil imaginar o que é crescer no seio de uma família de superdotados, mas a verdade é que ela também mostrou desde criança que não tinha intenções de ficar para trás. Tornou-se uma das melhores na modalidade a nível nacional e o sonho Olímpico passou a ser uma realidade alcançável.

O fim do sonho e o início de uma carreira obscura

No decorrer de uma competição de qualificação para os Jogos Olímpicos de 1998, Molly acabaria por se lesionar depois de uma queda brutal. Ela já tinha sofrido uma lesão grave nas costas alguns anos antes, e essa sucessão de incidentes com o acumular de problemas físicos acabaram por deitar por terra todos os seus sonhos: pouco tempo depois havia de colocar um fim a sua carreira enquanto atleta de alta competição.

A sua vida prosseguiu, e acabaria um pouco mais tarde por se formar em Ciências Políticas com grande mérito numa universidade local.

Mas ela queria mais. Queria viver a vida sem limites, livre das amarras e das expectativas que todos tinham nela desde muito cedo. Essa mentalidade acabou por levá-la para fora da sua zona de conforto.

Mudou-se para Los Angeles e, depois de trabalhar como empregada de mesa e assistente pessoal, a sua ousadia e inteligência acabaram por a transformar numa mulher de sucesso num mundo pouco usual, mas muito glamoroso: o do poker de apostas altas.

Este livro de memórias que chega agora a nossa secção de biografias leva-nos então numa viagem deste período conturbado da vida de Molly, desde o afastamento do desporto até ao lado obscuro da organização de torneios de poker para a alta sociedade, incluindo famosas celebridades de Hollywood e empresários muito influentes.

Se não está familiarizado com o jogo de poker, o melhor mesmo é dar uma vista de olhos nos termos frequentemente utilizados no decorrer das partidas. Não é que seja essencial, mas ajuda a tornar a narrativa ainda mais envolvente.

O facto de organizar estes torneios um tanto ao quanto clandestinos com pessoas altamente poderosas acabou por dar a Molly uma certa influência, reputação e muito dinheiro. Consta que participavam dessas partidas pessoas como Leonardo DiCaprio, Matt Damon e Ben Affleck, só para citar alguns dos nomes mais reconhecidos.

Tanto sucesso acabou por virar pesadelo e a sua vida haveria de dar uma nova volta de 180 graus. Em 2013, ela foi detida e acusada de lavagem de dinheiro e de organizar jogos ilegais, acabando mais tarde por se confessar culpada de crimes menores e ser sentenciada a um ano de liberdade condicional e 200 horas de trabalho comunitário.

Depois do lançamento do livro o seu êxito foi tremendo e quase imediato. Rapidamente suscitou o interesse de grandes produtoras que o quiseram transformar em filme. Essa adaptação cinematográfica ficou a cargo do conceituado guionista Aaron Sorkin, que escreveu filmes como The Social Network, Moneyball e Steve JobsA Grande Jogada foi também a sua estreia como realizador e pode-se dizer que correu bastante bem, tendo sido nomeado para um Óscar na categoria “Melhor roteiro adaptado”.

POSTS RELACIONADOS

 

Share this article

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *