Home / Escritores /

Luís Vaz de Camões: o poeta que acreditou na glória lusitana

Luís Vaz de Camões: o poeta que acreditou na glória lusitana

 

Ao falarmos de literatura portuguesa, temos obrigatoriamente de apontar um nome, aquele que é facilmente considerado o maior poeta português de todos os tempos: Luís Vaz de Camões. Mesmo não sendo a história clara quanto à vida deste homem de uma coisa há certeza: este foi o poeta que, inspirado por musas e grandes nomes da antiguidade, pegou na pena e compôs uma epopeia para o povo lusitano.

As próprias circunstâncias do nascimento de Luís Vaz de Camões estão envoltas num manto de mistério. Impossível de se identificar um dia certo para o nascimento do poeta, sabe-se pelo menos que terá nascido entre o ano de 1524 e 1526, em Lisboa, então capital do Império. Os seus pais, Simão de Vaz e Ana de Sá, pertenciam a um ramo menor da nobreza e terão assegurado que o jovem Luís seguia uma educação sólida, ajustada aos moldes clássicos.

Não faltou por isso latim, literatura e história na formação de Camões. Terá sido assim, provavelmente, que se cruzou com os textos épicos de Homero que o viriam a inspirar anos mais tarde. Apesar de não haver documentação que o confirme, admite-se ainda a possibilidade de que Camões tenha passado pela Universidade de Coimbra.

Eterno namoradeiro, frequentou a corte de D. João III onde, entre mulheres, música e vinho, foi criando uma carreira como poeta lírico e precetor do filho do Conde de Linhares. Entre tais círculos sofreu, eventualmente, um terrível desgosto de amor que pôs a sua vida em perspetiva. Antes disso, terá sido preso por se declarar à Infanta Dona Maria, a própria irmã do Rei.

Porém, foi uma tal de D. Catarina de Ataíde que, não retribuindo o seu amor, provocou tal dor ao poeta que Camões não viu outra alternativa se não o exílio em Ceuta, predisposto a trocar a pena pela lança e a poesia pela batalha. E é assim que, em plena guerra, fica ferido em combate e perde o olho direito, característica peculiar pela qual é hoje relembrado.

Com o coração curado ou não, regressou a Portugal, retomando a vida boémia. Deveria ter, por esta altura, cerca de 25 anos. Porém, ao agredir um criado do Paço, acabou por regressar à prisão, saindo pouco depois e com destino marcado: viajaria para a India. É neste período, do qual hoje pouco sabemos, que terá encontrado a inspiração para escrever a obra-prima Os Lusíadas.

Camões: o poema, o naufrágio e o rei

Contam as lendas que, nesta jornada para a Índia, a nau que levava Camões terá naufragado no rio Mekong e que a obra lírica só se salvou porque o poeta conseguiu nadar até à costa. Enquanto remava com um braço, erguia o manuscrito com o outro. Uma prova de esforço que não lhe deve ter saído barato! Ao regressar a Portugal, já com Os Lusíadas terminado, conseguiu publicar a obra e recebeu uma pensão de 15000 reis anuais, atribuída pelo Rei D. Sebastião, por serviços prestados à conta.

 

Uma vez mais, há uma história curiosa desta época que merece ser contada, embora não haja certezas quando à sua veracidade. Ao apresentar Os Lusíadas ao Rei D. Sebastião, Luís Vaz de Camões terá declamado ao soberano todos os 10 cantos que compõe a obra, urgindo-o a lutar pelo esplendor da pátria. Pouco depois desse encontro, o Rei D. Sebastião partiu de facto para a guerra em Alcácer Quibir, de onde nunca mais regressou. Mera coincidência?

Retomando a Camões, sabe-se que viveu os seus últimos anos de vida a partir da pensão que lhe era atribuída. A par d’Os Lusíadas escreveu três obras de teatro cómico mas, como frequentemente se queixava, a sua obra nunca foi realmente apreciada por aqueles para quem ele compunha: os portugueses.

O verdadeiro reconhecimento chegaria apenas após a sua morte, que aconteceu no dia 10 de junho de 1580, tinha então o poeta 55 anos. Hoje, os seus restos mortais encontram-se sepultados no Mosteiro dos Jerónimos e na sepultura pode ler-se a emblemática inscrição que lhe presta uma última homenagem:”Aqui Jaz Luís de Camões Príncipe dos poetas de seu tempo. Viveu pobre e miseravelmente e assim morreu”.

Em pleno século XXI, o trabalho de Camões continua a ser amplamente estudado por todo o Mundo e a obra Os Lusíadas considerada um dos documentos poéticos mais importantes e valiosos da literatura universal.  Mais do que imortalizar a pátria portuguesa, Camões deu e continua a dar um novo fulgor à língua e alma lusitana.

Pode encontrar todas as obras de Luís Vaz de Camões na Amazon ou na Fnac

 

 

Partilhar este artigo

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *